Publicado em Alvenaria, design de interiores, obra, Planejamento, Preço, projeto, Reformar

QUANTO CUSTA UM PROJETO DE INTERIORES

Olá, caros leitores!

Esse assunto pode ser uma curiosidade de muitos, até porque, no meio de tantas coisas belas e de encher os olhos, como ter noção do valor real por trás do ambiente (projeto)? E será que o custo é alto de mais? Claro que isso vai depender do tamanho da sua obra e o quão exigente você é. Isso pode sim alterar o preço do projeto! Para clientes que querem exclusividade, isso vai sair mais caro, afinal o profissional ficará à sua disposição, podendo ser impedido de captar novos clientes.

Um projeto completo pode levar até três meses para ser confeccionado, são várias pranchas de desenho e o executivo tem um peso a mais, requer muitos detalhes e são eles que irão para as mãos dos profissionais que executarão o serviço – alvenaria, pontos hidráulicos, pontos elétricos, luminotécnico, marcenaria, gesso, bancadas/granito, paginação de piso e de parede (veja a post sobre, ETAPAS DA OBRA NO PROJETO DE INTERIORES).

Quero deixar claro que os valores que serão informados aqui não são regras, mas sim, uma estimativa, porque cada profissional tem sua forma de trabalho e a região também pode interferir no preço desse serviço.

Eu trabalho com duas tabelas, IAB (Instituto de Arquitetura do Brasil) e ABD (Associação Brasileira de Designers de Interiores). Vou usar como exemplo uma planta do meu portfólio, é um trabalho simples, porém feito com esmero e obedecendo normas e regras de interiores.

Esse apartamento tem uns 80m² e o serviço contratado foi completo, Veja: Etapas da Obra no Projeto de Interiores. Na tabela da ABD o valor ficou em torno de R$4.700, isso aqui no meu estado ES, já no RJ ficaria em torno de R$6.500, e pela IAB, seria em torno de R$4.200 no ES. Suponhamos que esse cliente fizesse o projeto completo somente de um ambiente, a cozinha por exemplo, apesar da mesa do jantar estar praticamente dentro da cozinha, não será incluído. A área da cozinha tem 7m² , o projeto completo ficaria em torno de R$600 e, se incluirmos todo o living, são 23m², a cozinha, o jantar e a sala. Esse projeto sairia por R$1.700.

Nesse projeto foi necessário fazer alteração de alvenaria para atender às necessidades do casal. A cozinha não era aberta como está na planta, a parede seguia  até o final e tinha uma porta, deixando o ambiente fechado e impossibilitando o uso da mesa do jantar. O apartamento era de três quartos pequenos, e foi preciso juntar dois para conseguir um layout que atendesse o casal. Lembrando que tínhamos o projeto original estrutural de engenharia e isso possibilitou as mudanças na alvenaria.

humanizada.

*O próximo post será sobre consultoria.

Veja: O TRABALHO DO DESIGNER DE INTERIORES

Projeto x Consultoria

Etapas da Obra no Projeto de Interiores

 

 

 

Anúncios

A DIFERENÇA ENTRE VINTAGE E RETRÔ

Olá, caros leitores!

Certa vez, em uma conversa, atendi a um cliente que gostaria que a decoração de seu apartamento fosse vintage, porém, quando fui mais a fundo nas perguntas do briefing, identifiquei que o estilo de sua escolha era o Retrô e não o Vintage.

É comum as pessoas confundirem esses dois estilos, mas cada um tem sua época e característica própria.

Confira: https://www.osvaldoantiguidades.com.br/diferenca-entre-decoracao-vintage-e-retro/   

 

Veja também: Projeto x Consultoria

*O próximo post será sobre preço de projeto.

Publicado em Arquitetura, Cor, design de interiores, obra, projeto, Reformar, Revestimentos, Solução

COBOGÓ

Originalmente em concreto, o cobogó foi criado e patenteado em 1929, pelo comerciante português Amadeu Oliveira Coimbra, o alemão Ernst August Boeckmann e o engenheiro pernambucano Antônio de Góes. Os três moravam em Recife, no início do século, trabalhavam na construção civil, e a criação foi uma solução para amenizar as condições climáticas no interior das casas nordestinas, e levantar paredes sem vedar a entrada de ar no ambiente. Uma ideia simples e barata, que se popularizou rapidamente, passando, nos anos 1940 e 1950, a ocupar também o interior de casas, servindo como divisória de ambientes. Adotado pela arquitetura modernista, esse recurso passou por mutações, e foi muito usado na construção da nova capital, sendo facilmente encontrado em casas e prédios públicos do plano piloto.

http://www.anualdesign.com.br

Essas peças são fantásticas, podendo ser usadas desde  uma fachada até adentrar o interior de uma casa ou de um apartamento. A versatilidade das peças contribui tanto para obras grandes quanto para pequenas soluções em obras menores, ganhando destaque em  fachadas ou interiores. As cores e o desenho das peças tem um peso na decoração, deixando desde um ar vintage e retrô até um estilo contemporâneo, ou seja, podemos usar e ousar com os cobogós.

cobogo-6
                 Imagem da Internet
cobogo-4
                                                                                                                                       Imagem da Internet

*Como e onde usar os cobogós?

http://casa.abril.com.br/materia/cobogos-ou-elementos-vazados-como-e-onde-usar#9

*Lojas e fabricantes

http://www.tudodafabrica.com

http://www.manufatti.com.br

http://www.ceramicamartins.com.br

http://www.betonart.com.br

http://www.premoldadobrasil.com.

www.compose.com.br 

Leia também: A Cor e o Ambiente

Publicado em Avaliação, consultoria, design de interiores, Habilidade, obra, Planejamento, projeto, Projeto, Reformar, Solução

O TRABALHO DO DESIGNER DE INTERIORES

Antes de mais nada, quero dizer que o profissional de Design de Interiores trabalha e trabalha muito. O serviço pode durar até seis meses, mas claro que isso vai depender da complexidade do projeto. Entre reuniões, consultorias, visitas à obra e o gerenciamento, tem a parte do escritório onde as idéias são formadas e o projeto acontece.

Se fossemos analisar as horas que um designer gasta em cada etapa do projeto, teríamos que calcular algumas noites e madrugadas também. Esse trabalho é de inspiração e precisamos do máximo de tranquilidade para relaxarmos a mente  e criar, uma vez que o trabalho por si só nos exige muita dedicação. Cabe a nós também controlar e tranquilizar o cliente com suas e dúvidas. Acredite, nossa dedicação costuma ser integral e, com isso, o desgaste físico e emocional pode ser visível. Caso o cliente não controle a sua ansiedade, ele pode piorar as coisas e prejudicar o trabalho do profissional, colocando em risco o seu próprio investimento.

É comum esse profissional amar a profissão e carregá-la como a um filho, podendo, assim, decepcionar-se profundamente e, acredite, nós choramos quando as coisas não vão bem, mas sempre acreditamos que amanhã será melhor que ontem e assim por diante. Somos profissionais que carregamos emoções, as nossas e as de nossos clientes. Ensinamos muito e aprendemos muito mais a cada obra e cliente que temos o prazer de atender. O processo de criação depende desse relacionamento, onde pouco a pouco deve se estreitar. Dessa forma, o resultado será surpreendente para os dois lados.